UTL Repository >
ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão / ISEG - School of Economics & Management Lisbon >
CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento / CEsA - Centre of African and Development Studies >
CEsA - Documentos de Trabalho / CEsA - Working Papers >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/848

Title: Os “clusters” e a reforma da Administração Pública na cooperação internacional portuguesa para o desenvolvimento
Authors: Sangreman, Carlos
Carvalho, Fernando
Keywords: Clusters
benchmarking
efeito boomerang
cooperação
Issue Date: 2007
Publisher: ISEG - CEsA
Citation: Sangreman, Carlos e Fernando Carvalho. 2007. "Os “clusters” e a reforma da Administração Pública na cooperação internacional portuguesa para o desenvolvimento". Instituto Superior de Economia e Gestão – CEsA Documentos de Trabalho nº 73-2007
Series/Report no.: Documentos de Trabalho;73
Abstract: O objectivo deste Paper é de ser uma contribuição para o conhecimento na teoria e na operacionalização prática do novo instrumento da cooperação portuguesa para o desenvolvimento – os clusters da cooperação – no que respeita aos países beneficiários da ajuda internacional e também no efeito que a sua criação e implementação pode ter na reforma das instituições públicas e privadas da cooperação em Portugal, sobretudo no Instituto de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD) naquilo que chamamos o “efeito boomerang”. Quanto à dimensão teórica, defendemos que só a ligação desse conceito ao de benchmarking, tal como é entendido no processo de reforma da Administração Pública em curso, permitirá torná-lo uma medida de política real – por oposição a medidas virtuais anunciadas e nunca operacionalizadas - e com um contributo inovador na reforma das instituições públicas e dos actores não estatais que constituem os intervenientes no campo da Cooperação Portuguesa (CP), enquadrada no actual consenso internacional sobre a área e na política de Reforma da Administração Pública do actual Governo. Quanto à operacionalização prática defendemos uma implementação, perfeitamente exequível e não utópica, que passa por um modelo flexível de operacionalização com o qual se possam desenvolver os programas de cooperação adequados às prioridades existentes em cada país, utilizando a metodologia de parceria e avaliação de resultados que sejam da maior qualidade e o mais participativas possíveis em todas as fases de identificação, concepção, implementação e avaliação, tendo sempre em conta as opções políticas portuguesa e dos países parceiros, bem como a coerência, consistência e capacidade institucional de ambos. Procuraram-se experiências de outros países financiadores da Cooperação, bem como referir o cluster cuja concepção está mais avançada em Portugal - a Ilha de Moçambique -, e apresentar propostas para a operacionalização dos clusters que possam constituir padrão daquilo que Portugal pode propor aos países com os quais tem cooperação. Essas propostas estendem-se igualmente aquilo que pensamos poder ser a transformação nas instituições portuguesas do “campo” à luz das ideias aqui expressas.
Description: Este documento documento insere-se na investigação desenvolvida no âmbito do projecto “A cooperação descentralizada: os actores não estatais na dinâmica de mudança em países africanos – o caso da Guiné-Bissau e de Cabo Verde, 2000-2004“
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/848
Appears in Collections:CEsA - Documentos de Trabalho / CEsA - Working Papers
DE - Documentos de trabalho / Working Papers

Files in This Item:

File Description SizeFormat
CESA-DT_73-2007.pdf287.05 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE