UTL Repository >
ISA - Instituto Superior de Agronomia >
DEF - Departamento de Engenharia Florestal >
DEF - Comunicações em Actas de Conferências >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/696

Title: Melhoramento genético do Eucalipto: que impacto na realidade ?
Authors: Almeida, Maria Helena
Araújo, C.
Araújo, J.A.
Silva, Filipe Costa e
Neves, I.
Paiva, V.
Santiago, A.
Ribeiro, D.
Keywords: eucalipto
eucalyptus globulus
melhoramento genético
produtividade
ganhos económicos
sector florestal
Issue Date: May-2005
Publisher: SPCF
Citation: Congresso Florestal Nacional, 5º, Viseu, 2005
Abstract: O Eucalyptus globulus pela sua importância económica, variabilidade disponível, rápido crescimento, floração relativamente precoce e características do lenho que permitem a obtenção de uma pasta celulósica de alta qualidade, tem beneficiado há cerca de 40 anos de um contínuo investimento nas actividades de melhoramento genético. O impacto destes programas de melhoramento na cultura do eucalipto está dependente do valor genético das plantas utilizadas, da proporção destas no total das plantações realizadas e do seu comportamento nas condições de campo. Estas condições dependem, por sua vez, do aperfeiçoamento das técnicas silvícolas e de um esforço continuado de gestão relativamente à alocação das plantas melhoradas, à técnica de instalação e ao modo de condução e exploração dos povoamentos de eucalipto. O desenvolvimento de técnicas de propagação do material melhorado em larga escala, quer seja por via seminal ou por propagação vegetativa, de forma a permitir arborizações com esta espécie a um preço competitivo, é ainda uma condicionante importante do sucesso de um programa de melhoramento florestal. Em Portugal são produzidos anualmente cerca de 12 milhões de eucaliptos, dos quais cerca de 3,5 milhões correspondem a plantas melhoradas, sendo destas cerca de 630 mil adquiridas pelos proprietários florestais privados. Apesar de ao material melhorado corresponder um acréscimo no custo das plantas seminais na ordem dos 25% e dos 100% para as plantas obtidas por via vegetativa, o acréscimo dos encargos totais da arborização por hectare varia apenas entre 2 e 4% (planta seminal) e entre 8 e 16% (planta clonal) relativamente à utilização de plantas não melhoradas consoante o modelo de silvicultura considerado. No entanto, mesmo com os importantes ganhos associados aos vários programas (20 – 60%) comparativamente com o material não melhorado, a adesão dos privados a esta oferta tem sido reduzida. Este facto deve-se muitas vezes a uma valorização pelos agentes económicos de um baixo custo de instalação em prejuízo da utilização de material melhorado, apesar de o tipo e qualidade da planta condicionar o lucro final que o proprietário irá obter. É pois necessário esclarecer e divulgar os factores que condicionam a utilização de material melhorado (sementes ou clones) nas arborizações, enfatizando a importância de este estar associado a uma silvicultura adequada, uma vez que o fenótipo está dependente não só do genótipo mas também do ambiente em que se encontra. Atendendo ao capital de conhecimento já existente no nosso País relativamente a esta espécie,há a possibilidade real de continuar a ampliar os ganhos em produtividade e em qualidade da fibra a médio e longo prazo, através da acção conjunta do melhoramento genético e das práticas culturais, planificadas por uma gestão com objectivos claros.
Description: Congresso Florestal Nacional: a floresta e as gentes - Actas das Comunicações
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/696
Appears in Collections:DEF - Comunicações em Actas de Conferências

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Congress5-H.Almeida-Melhoram.pdf110.78 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE