UTL Repository >
ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão / ISEG - School of Economics & Management Lisbon >
Biblioteca Francisco Pereira de Moura / Francisco Pereira de Moura Library >
BISEG - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/4818

Title: Os contornos do emprego e do trabalho na economia social : estudos de caso nos distritos de Viseu e da Guarda
Authors: Sousa, Maria Teresa de
Advisor: Kovács, Ilona
Keywords: economia social
trabalho e emprego
grupos vulneráveis/em desvantagem
percurso pessoal e profissional/laboral
criação de emprego
inserção e integração
feminização do emprego
instituições particulares de solidariedade social
cooperativas
crise do Estado-Providência
social economy
work and employment
vulnerable/disadvantaged groups
personal and professional/work path
creation of employment
insertion and integration
feminization of employment
private social solidarity institutions
cooperatives
crisis of the Welfare-State
Issue Date: Jul-2012
Publisher: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citation: Sousa, Maria Teresa de. 2012. "Os contornos do emprego e do trabalho na economia social : estudos de caso nos distritos de Viseu e da Guarda". Tese de Doutoramento. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.
Abstract: A globalização da economia, a crise do Estado-providência, a precarização do trabalho e do emprego, as desigualdades sociais, o aumento do desemprego, a nova pobreza, a exclusão social e laboral, entre outros aspectos, suscitaram/suscitam a emergência de novos problemas sociais para os quais é importante encontrar respostas. Neste contexto, a economia social é chamada a participar e a sua evolução mais recente não só confirma a sua capacidade na resolução destes novos problemas, como reforça a sua posição nas áreas mais tradicionais da sua intervenção. Consequentemente, a economia social parece abrir caminho à possibilidade de dinamizar um modelo diferente de desenvolvimento. Um modelo que se deseja mais humanizado e sustentável. Um dos objectivos centrais deste estudo é o de problematizar a economia social, valorizando uma das suas “atractividades” mais recentes: a capacidade de criar e promover o emprego e a sua importância enquanto vector de inserção e integração no mercado de trabalho e de emprego de certos grupos de trabalhadores (grupos vulneráveis/em desvantagem). No entanto, estas “atractividades” não nos impedem de argumentar que qualquer uma delas comporta vantagens e “riscos/armadilhas”. A presente dissertação está organizada em duas partes. A Parte I é dedicada à contextualização da problemática e ao enquadramento teórico. Partindo de um quadro teóricoconceptual alicerçado nas transformações socioeconómicas, analisámos o debate e a contribuição plural da economia social, não esquecendo a sua diversidade europeia e nacional (que os dados estatísticos também ajudam a comprovar) e o seu potencial empregador. O estudo empírico (Parte II) incide sobre as organizações da economia social, numa dupla componente: componente social (instituições particulares de solidariedade social) e componente cooperativa (cooperativas) e articula dois níveis de análise: análise quantitativa (dados estatísticos e informação recolhida através do inquérito por questionário) e a análise qualitativa (resultante da realização de diferentes guiões de entrevista). O âmbito geográfico do estudo abrange concelhos de dois distritos: Viseu e Guarda. Em relação à economia social, a articulação entre os dois níveis de análise referidos anteriormente permitiu, entre outros aspectos, constatar: a diversidade (natureza jurídica; número de trabalhadores; ramos cooperativos; actividades desenvolvidas; etc.); o potencial empregador, particularmente dos grupos vulneráveis/em desvantagem; a feminização do emprego; a diversidade dos recursos humanos (trabalhadores remunerados e trabalhadores voluntários); a estabilidade do vínculo contratual; a proximidade da intervenção; os contributos (entre eles: a criação de emprego; a satisfação das necessidades locais; a dinamização da economia local; a fixação das pessoas no meio e a promoção do desenvolvimento local) e os problemas específicos (por exemplo: as dificuldades de gestão; a burocracia; a qualificação e a formação dos recursos humanos; a falta de reconhecimento da economia social e a sua “invisibilidade”; etc.); os baixos salários; os pontos fortes, os pontos fracos, as oportunidades e as ameaças. A economia social para além de ser uma relevante empregadora de mão-de-obra local tem também um significado importante enquanto primeiro emprego. Registe-se que, na grande maioria dos casos, a economia social não fez parte do percurso laboral/profissional daqueles trabalhadores para quem o emprego actual não foi o primeiro emprego.
Description: Doutoramento em Sociologia Económica e das Organizações
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/4818
Appears in Collections:DCS - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis
BISEG - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TD-MTS-2012-Dissertação Partes I e II.pdf4.77 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
TD-MTS-2012-Anexos Parte I e Parte II e Indices.pdf5.99 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE