UTL Repository >
ISA - Instituto Superior de Agronomia >
DPPF - Departamento de Protecção das Plantas e Fitoecologia >
DPPF - SPI - Secção de Protecção Integrada >
SPI - Livros / Cap. de Livros >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/4607

Title: A política de redução dos riscos dos pesticidas em Portugal
Authors: Amaro, Pedro
Keywords: pesticida
toxicologia
risco
Issue Date: Dec-2007
Publisher: ISAPress
Citation: Amaro, Pedro (ed.) - A política de redução dos riscos dos pesticidas em Portugal. Lisboa: ISAPress, 2007, 176 p.
Abstract: Nos três primeiros capítulos procede-se à análise: da problemática dos pesticidas (Cap. 2), com destaque para o risco aceitável dos pesticidas (2.6.4) e o uso sustentável dos pesticidas (2.6.5); da protecção integrada (Cap. 3), evidenciando a evolução, em Portugal, da prática da protecção integrada e da produção integrada (3.3 e 3.4) e as “resistências” do CNPPA e da DGPC a esta evolução, com graves consequências, nomeadamente, na perda de qualidade (3.5); e de aspectos importantes da história da homologação dos pesticidas agrícolas, desde os anos 60 (Cap. 4), com evidência da diminuição da eficiência e da qualidade, em coincidência com a substituição da CTP pela CATPF, em 1994 (4.4). No Cap. 5 analisa-se A Política de Redução dos Riscos dos Pesticidas na UE, França e Portugal. A par do exemplo da França, destaca-se, em Portugal, o atraso de 42 anos da publicação do diploma da Aplicação dos pesticidas (5.2) e a recente incapacidade para a divulgação da lista dos pesticidas de elevado risco que, desde fins de Outubro, de acordo com esse diploma, só poderão ser utilizados por aplicadores especializados (5.2.2). Procede-se também à pormenorizada análise da deficiente comunicação do risco dos pesticidas, da responsabilidade do CNPPA, DGPC e DGADR (5.4) e das empresas de pesticidas (5.5). Perante a política do SILÊNCIO das entidades oficiais e das empresas de pesticidas, apresenta-se, no Cap. 6, A Informação mais completa e actualizada dos últimos dois anos e meio em Portugal sobre os efeitos secundários dos pesticidas. A concluir, no Cap. 7, aponta-se para o futuro e, em particular, já para 2008, sintetizando as principais resistências e dificuldades que se opõem ao objectivo de Portugal acompanhar a dinâmica da Política de Redução dos Riscos dos Pesticidas da UE. Para começar, é essencial que as entidades oficiais e privadas visadas tenham a coragem e a capacidade de responder às 32 Questões referidas no texto e sintetizadas no Anexo XVII, algumas já apresentadas, em vão, há demasiado tempo, atendendo á sua importância para ultrapassar a actual triste posição de Portugal na cauda da Europa, nesta problemática dos pesticidas!
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/4607
ISBN: 978-972-8669-28-7
Appears in Collections:SPI - Livros / Cap. de Livros

Files in This Item:

File Description SizeFormat
REP-A_Politica_de_Reducao.pdf2.09 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE