UTL Repository >
ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão / ISEG - School of Economics & Management Lisbon >
Biblioteca Francisco Pereira de Moura / Francisco Pereira de Moura Library >
BISEG - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/4523

Title: 0 impacto das florestas no crescimento económico moderno durante o Estado Novo (1930-1974)
Authors: Dias, Maria Amélia Filipe Branco Antunes
Advisor: Valério, Nuno
Keywords: Crescimento Económico Moderno
Economia Portuguesa
Estado Novo
Floresta Portuguesa
Política Florestal
Fileira Florestal
Modern Economic Growth
Portuguese Economy
Portuguese Forestry
Forestry Policy
Forestry Subsectors
Issue Date: Jul-2005
Publisher: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citation: Dias, Maria Amélia Filipe Branco Antunes. 2005. "0 impacto das florestas no crescimento económico moderno durante o Estado Novo (1930-1974)". Tese de Doutoramento. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.
Abstract: Partindo da definição de Kuznets (1969) para a identificação e caracterização do crescimento económico moderno (CEM), podemos situar temporalmente esta nova época económica em Portugal na década de 1950, altura a partir da qual o país conheceu um conjunto de alterações, agregadas e estruturais, no sentido de um processo de modernização industrial. A complexidade deste processo permite a adopção de várias perspectivas de estudo. Privilegiamos neste trabalho uma abordagem sectorial do CEM no caso português, por colocar em destaque as articulações entre diferentes actividades económicas que, embora se completem e interajam, não deixam de estar povoadas de interesses antagónicos, que acabam por marcar o ritmo e a dimensão do seu impacto no CEM, 'per si' e em termos do todo sectorial. Constituiu nosso objectivo estudar o impacto da floresta no CEM português durante o Estado Novo (1930-1974), tendo presente que o aproveitamento económico dos produtos florestais sempre assumiu um papel importante na sociedade e economia portuguesas. Para além disso, a evolução das actividades económicas ligadas à floresta foi contextualizada por diversas medidas governamentais e por uma presença forte dos mercados externos enquanto destino da sua produção. Se quisermos classificar estas actividades em termos de fileira, a fileira da cortiça, a da resina e a do papel, colocam-se no primeiro plano de uma análise deste tipo. 0 impacto das fileiras referidas no CEM português foi condicionado por vários factores. Em primeiro lugar, enquanto recurso natural renovável, a floresta acabou por impor determinados condicionalismos às fileiras estudadas, tanto em termos de quantidades de matérias-primas, como da sua qualidade. Acresceu a esta limitação, a presença, em todos os sectores estudados, de agentes económicos com interesses antagónicos e de diferente dimensão, dando origem a conflitos que a teia institucional criada pelo Estado Novo não conseguiu sanar. Restou o comércio externo, onde os produtos florestais evidenciaram alguma importância enquanto geradores de receitas, mas cuja dinâmica evolutiva acabou, também ela, por ser condicionada pelo enquadramento externo da economia portuguesa.
Using Kuznets' (1969) definition for the identification and characterisation of modern economic growth (MEG), we can identify this new economic era as having begun in Portugal in the 1950s, when the country experienced a series of aggregate and structural alterations that eventually led to a process of industrial modernisation. This complex process can be approached from several perspectives. Adopting a sectoral approach to the Portuguese MEG highlights the interaction between different economic activities, which, as well as being inter-dependent on each other, also have opposing interests, and this, therefore, restricts the rhythm and dimension of their economic effect on MEG, 'per se,' and in terms of a whole sector. Our aim is to study the contribution of forestry on Portuguese MEG in the period of the Estado Novo (1930-1974), bearing in mind that the economic exploration of forest materials has always assumed an important role in Portuguese society and its economy. Furthermore, the development of economic activities related to forest materials has always been strongly influenced by a range of government measures as well as by the strong presence of the external market as a final outlet. If one wishes to classify these activities in terms of sectors, then the cork, resin and paper sectors must be placed in the very forefront of any analysis of this type. The impact of the above mentioned sectors upon the Portuguese MEG were conditioned by several factors. Firstly, as a renewable natural resource, the forest imposed certain constraints on these sectors in terms of the quantity and quality of its raw materials. Furthermore, this was complicated by the presence of economic agents, of varying sizes, that acted with different interests in relation to the sectors. This behaviour caused conflicts that were beyond the powers of the institutional framework to solve. It was only in foreign trade, where forest products demonstrated some Importance by generating Income, but the growth of which was also curtailed by the external framework of the Portuguese economy.
Description: Doutoramento em História Económica e Social
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/4523
Appears in Collections:DCS - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis
BISEG - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TD-MAFBAD-2005.pdf25.35 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE