UTL Repository >
ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão / ISEG - School of Economics & Management Lisbon >
Biblioteca Francisco Pereira de Moura / Francisco Pereira de Moura Library >
BISEG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/3395

Title: O desempenho das instituições de microfinanças: uma análise empírica transnacional (1996-2009)
Authors: Silva, Berta Arsénio da
Advisor: Matos, Pedro Verga
Keywords: Instituições de Microfinanças
microfinanças
desempenho/performance
variables: microfinance institutions; microfinance; performance
variables
microfinance institutions
performance
microfinance
Issue Date: May-2011
Publisher: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citation: Silva, Berta Arsénio da. 2011. "O desempenho das instituições de microfinanças: uma análise empírica transnacional (1996-2009)". Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão
Abstract: Este trabalho intitulado a "O Desempenho das Instituições de Microfinanças: Uma Análise Empírica Transnacional (1996-2009)" foi motivado por duas razões, primeiro, fruto do contacto com a parte operacional da agência Aga Khan para as Microfinanças (AKAM) em Moçambique, e pela oportunidade de realizar o trabalho final de mestrado nesta área financeira específica. As microfinanças integram projectos de desenvolvimento e de inclusão financeira para as pessoas que por diversas razões não têm acesso a serviços financeiros convencionais. Inúmeros estudos foram já realizados sobre o impacto das microfinanças como estratégia de desenvolvimento, bem como sobre a sustentabilidade destas instituições. Este estudo tem por objectivo avaliar e aprofundar o impacto de determinadas variáveis chave no desempenho das instituições de microfinanças (IMF), como sejam: macroeconómicas; institucionais; regulamentares; políticas; condições locais; e características geográficas e humanas do país. Através da revisão de literatura pretende-se, ainda, testar empiricamente algumas teorias, isto é: se um melhor funcionamento das IMF está associado a contextos economicamente mais adversos, pela maior permanência destas nestes ambientes; ou se as microfinanças funcionam como uma estratégia de desenvolvimento que precede a industrialização dos países; ou, ainda, se a performance das IMF tende a melhorar com o tempo. Utilizaram-se indicadores financeiros de sustentabilidade, de eficiência e de incumprimento para avaliar o desempenho das IMF com recurso a modelos econométricos e dados de painel. A amostra foi constituída por IMF distribuídas por diversos países do mundo, com diferentes estatutos (bancos, cooperativas, bancos rurais, NGO, NBFI) e maturidades. Após se efectuarem correcções de maneira a tornar os resultados econometricamente mais robustos, estes, para a maioria das variáveis externas, e não controláveis pelas IMF aqui consideradas, não têm impacto estatisticamente significativo nos indicadores de desempenho das instituições. Contudo, os resultados apontam para um impacto positivo e estatisticamente significativo entre o rendimento per capita do país e o rácio de créditos em mora, e para um impacto negativo, e igualmente significativo, entre o rendimento per capita do período anterior e o rácio de write-off. Paralelamente, o aumento do sector formal está associado a uma melhoria na qualidade do portfolio (reflectido no sinal obtido para o estimador da variável participação da força de trabalho no rácio de créditos em mora) das instituições, enquanto que, uma maior fracção da indústria no PIB está associada a piores rácios de write-off. A inflação é outra das variáveis relevantes com impacto positivo e estatisticamente significativo no indicador de eficiência - custo por cliente. Por último, comprova-se que os anos de experiência têm um efeito positivo mas marginalmente decrescente na sustentabilidade das IMF.
This research is entitled as "Microfinance Institutions Performance: an Inter-Regional Empirical Analysis (1996-2009)" the inspiration was a consequence of a field visit to the work inside Aga Khan Agency for Microfinance (AKAM) in Mozambique, and the opportunity to finalize the Masters degree in this specific social area. Microfinance is a development and financial inclusion strategy for non-bankable people that, because of different reasons, do not have access to traditional financial services. Several studies have already been conducted, focused on poverty alleviation and the social impact of microfinance (outreach of microfinance), as well as, on the challenges of a microfinance institutions (MFI) to reach financial sustainability. This study aims to evaluate in more depth the impact of different key-variables on IMF performance, namely: macroeconomic; institutional framework; regulation; political; local conditions; geographic and human characteristics of the country. Based on literature review this study also intends to empirically test some theoretical ideas, for example: microfinance is more developed in economic unstable areas due to a historical presence in these contexts; and microfinance as a development strategy that preceded industrialization ofthe countries; or even iftime tends to improve MFI performance. Econometric models and panel data regressions were used to assess the IMF performance in terms of sustainability, efficiency and default. The MFI dataset is distributed for different countries around the world, with different legal status (bank, cooperative/credit union, NGO and non-bank financial institutions) and different age/maturities. After using statistical techniques in order to increase the econometric robustness of the results, overall estimates show no statistical significant relationship between most external and non controlled variables studied on the performance indicators of IMF. However, the results showed a positive statistical significant impact of the current per capita income on at-risk ratio, and a negative significant impact of the previous year's per capita income on write-off ratio. Furthermore, an increase in the formal labor market is associated with a better portfolio quality (reflected by at-risk ratio coefficient on the workforce participation rate) of the institutions, whereas a larger share of manufacturing is associated with a higher write-off ratio. Inflation is another important variable with a positive and significant impact on efficiency indicators - cost per borrower. Finally, the results prove that MFI's tend to perform better initially and then taper off.
Description: Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/3395
Appears in Collections:DG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis
BISEG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TFM_Final.pdf844.12 kBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE