UTL Repository >
ISA - Instituto Superior de Agronomia >
DPPF - Departamento de Protecção das Plantas e Fitoecologia >
DPPF - SFH - Secção de Fitoecologia e Herbologia >
SFH - Comunicações em Actas de Conferências >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/1029

Title: Diversidade florística dos bosques de Quercus faginea subsp. broteroi (cercais) do Centro Oeste de Portugal
Authors: Espírito Santo, M.D.
Rego, Francisco
Lousã, Mário
Bingre, Pedro
Lopes, Carmo
Maia, José
Ribeiro, Silvia
Alves, João
Capelo, Jorge
Keywords: Quercus faginea
diversidade floristica
Issue Date: May-2005
Publisher: SPCF
Citation: Congresso Florestal Nacional, 5º, Viseu, 2005
Abstract: Com o intuito de tipificar a diversidade floristica das formações florestais dominadas por carvalho-cerquinho, foram analisados 77 inventários efectuados em cercais de Arisaro vulgare-Quercetum broteroi e em louriçais de Vinco difformis-Lauretum nobilis, no Centro Oeste de Portugal, procurando-se estabelecer a relação entre estes bosques e o seu grau de conservação e diversidade. Os dados obtidos foram analisados através de uma análise canónica de correspondências (CCA) tendo sido efectuados os cálculos relativos à diversidade florística (recorrendo ao índice de Shannon) e à diversidade em espécies com interesse para conservação. Na análise canónica de correspondências (CCA) foram admitidas 4 variáveis no teste de permutação de Monte Carlo, com probabilidade de erro inferior a 1 %: altitude, densidade de copado, grau de artificialização e índice de Shannon. Os louriçais (de Vinco difformis-Lauretum nobilis e endémicos do Subsector Oeste-Estremenho) aparecem associados a situações de menor altitude, maior densidade de copado e com menor grau de artificialização do que os cercais de Arisaro vulgare-Quercetum broteroi. Dos cercais foi possível distinguir um grupo de inventários enriquecidos com Quercus robur e com o híbrido deste com o Quercus faginea subsp. broteroi, o Quercus x coutinhoi. Este grupo está positiva e fortemente correlacionado com elevados valores de diversidade florística, provavelmente devido a estar associado a situações de menor altitude ligeiramente edafo-higrófilas, o que contribui para uma maior estratificação das respectivas comunidades e a maior diversidade floristica. Vários endemismos e espécies com estatuto de protecção apareceram associadas aos cercais: Antirrhinum majus subsp. linkianum e Scrophularia grandiflora, entre outras, associadas aos cercais sobre calcários. Por sua vez, aos louriçais estão associadas espécies como o Ruscus aculeatus e Quercus pyrenaica. No total, registaram-se 5 taxa com estatuto vulnerável, 1 taxa em perigo de extinção, 2 taxa incluídos no Anexo II da Directiva 92/43/CE e 3 do Anexo V da mesma Directiva. Entre estas destaca-se a presença característica de Silene longicilia, Lavandula latifolia e Scrophularia grandiflora. Verificou-se que a diversidade em espécies endémicas com estatuto de protecção está positivamente correlacionada com a altitude e o declive, ou seja, este tipo de espécies associadas aos bosques de Quercus faginea subsp. broteroi estão concentradas especialmente em áreas menos acessíveis, de maior altitude e com menor grau de artificialização. Por outro lado, o grau de artificialização aparece positivamente correlacionado com o índice de Shannon, o que revela que determinadas acções de perturbação contribuem para um aumento da diversidade específica.
Description: Congresso Florestal Nacional: a floresta e as gentes - Actas das Comunicações
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/1029
Appears in Collections:SFH - Comunicações em Actas de Conferências

Files in This Item:

File Description SizeFormat
congress-5.dalila.pdf150.11 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE