Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/9424
Título: Os poejos na boa cozinha portuguesa
Autor: Monteiro, Ana
Póvoa, Orlanda
Marinho, Sérgio
Rodrigues, Leandra
Monteiro, Patrícia
Palavras-chave: poejos
Mentha cervina
Mentha pulegium
Data: 2008
Editora: ISAPress
Citação: Monteiro A., Póvoa O., Marinho S., Rodrigues L., Monteiro P., 2008, Os poejos na boa cozinha portuguesa. ISAPress, Lisboa, 106 p.
Resumo: O poejo (Mentha pulegium L.) e a hortelã-da-ribeira (Mentha cervina L.) também conhecida por poejo-fino e erva-peixeira, pertencem à família Lamiaceae (Labiadas) e têm uma longa história como ervas aromáticas e plantas medicinais na etnografia portuguesa. As duas espécies são autóctones do sudoeste da Península Ibérica (Estrelles et al., 2004), são plantas vivazes, estolhosas, com folhagem aromática e ocorrem, geralmente, em locais húmidos e encharcados, em valas, margens de linhas de água e no caso concreto da M. cervina em “charcos temporários mediterrânicos” - habitat prioritário NATURA 3170 (Espírito Santo et al., 2003). A hortelã-da-ribeira é uma planta que ocorre em sítios húmidos e pantanosos e, presentemente, considera-se que é uma espécie em risco, devendo por isso ser limitada a sua colheita in situ. Em Portugal, inicia o seu desenvolvimento na Primavera, floresce durante o Verão e, completa o seu ciclo de vida em sete meses (Figura 1). O poejo também ocorre em lugares húmidos ou inundados de Inverno, valas e linhas de água, sendo ainda abundante e frequente no país. Em Portugal encontra-se em floração de Junho a Outubro
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/9424
Aparece nas colecções:LEAF - Livros ou Capítulos de Livros

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
REP-LEAF-2008-LIVROpoejos.pdf5,03 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.