Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/9088
Título: Gastrointestinal parasite risk in dog parks in the Lisbon area
Autor: Ferreira, Ana Maria Nogueira
Orientador: Overgaauw, Paul A. M.
Carvalho, Luís Manuel Madeira de
Palavras-chave: Dog
Dog-attending parks
Gastrointestinal parasites
Zoonoses
Environmental contamination
One Health
Cães
Parques caninos
Parasitas gastrointestinais
Zoonoses
Contaminação ambiental
Uma Saúde
Data de Defesa: 23-Jul-2015
Editora: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: Ferreira, A.M.N. (2015). Gastrointestinal parasite risk in dog parks in the Lisbon area. Dissertação de mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa.
Resumo: Dog parks may pose a risk for the transmission of parasitic zoonotic agents via the faeces and soil contact. This is the first study to investigate gastrointestinal infections in park-attending dogs in Lisbon. The research was carried out under the frame of a field study including both parasitological and a survey approach. 369 faecal and 18 soil samples were collected from three dog parks in the Lisbon area and analysed for parasite eggs. 102 questionnaires were filled. The overall prevalence for positive faecal samples was 33%. Ancylostomatidae represent 17%, Cryptosporidium spp. 12%, Giardia spp. 11%, Toxascaris leonina and Cystoisospora spp. 1% each, Toxocara spp. 0.5% and Sarcocystis spp. 0.3%. From soil samples, 28% were contaminated with only Ancylostomatidae eggs. In the last 12 months 94% of the dogs were observed by a veterinarian. 90% were dewormed in the previous six months, from which 28% at least four times a year. Additionally, 26% of the dogs share the house with at least one dog, 50% visit the park daily, and 75% were always allowed to be off-leash. Also, 1% was fed with raw meat. Despite 94% of the owner’s claimed faecal collection of their pets, it was common to see 10-20 faecal samples on the environment of every dog space on sampling days. Regarding the pet-owner relationship, 76% of the dogs were allowed to lick their owners’ faces, 82% to be in their bedroom and 43% to sleep in their bed. Approximately one third of faecal samples of dogs in canine parks was infected with gastrointestinal parasites, some with potential zoonotic risk. Less than a quarter of the dogs were dewormed following the recommended schedule (at least 4 times a year). The majority of the owners have close physical contact with their dogs, increasing the transmission risk of zoonoses. Public awareness about potential risks and preventive procedures is therefore advised.
RESUMO - Risco parasitário gastrointestinal em parques caninos na área de Lisboa - Os parques caninos podem representar um risco para a transmissão de agentes parasitários zoonóticos através do contato com fezes e solo. Este é o primeiro estudo a investigar infeções gastrointestinais em cães que frequentam parques caninos em Lisboa. O estudo foi realizado sob a estrutura de um estudo de campo, incluindo tanto uma abordagem parasitológica como um questionário. 369 amostras fecais e 18 amostras de solo foram recolhidos de três parques caninos na área da Grande Lisboa e analisadas para ovos de parasitas. 102 inquéritos foram preenchidos. A prevalência global de amostras fecais positivas foi de 33%. A presença de Ancylostomatidae representa 17%, Cryptosporidium spp. 12%, Giardia spp. 11%, Toxascaris leonina e Cystoisospora spp. 1% cada, Toxocara spp. 0.5% e Sarcocystis spp. 0.3%. Das amostras de solo, 28% estavam contaminadas apenas com ovos de Ancylostomatidae. Nos últimos 12 meses 94% dos cães foram observados por um veterinário. 90% foram desparasitados nos seis meses anteriores, dos quais 28% pelo menos quatro vezes por ano. Além disso, 26% dos cães partilha a casa com, pelo menos um cão, 50% visita o parque diariamente, e 75% foi sempre autorizado a estar solto. Além disso, 1% era alimentado com comida crua. Apesar de 94% dos proprietários alegar a colheita das fezes dos seus animais de estimação, era comum ver 10-20 amostras fecais em cada espaço canino nos dias de amostragem. Tendo em conta o relacionamento do animal de estimação com o dono, 76% dos cães eram autorizados a lamber as caras dos donos, 82% a estar no seu quarto e 43% a dormir na sua cama. Aproximadamente um terço das amostras fecais de cães de parques caninos estava infectado com parasitas gastrointestinais, alguns com potencial risco zoonótico. Menos de um quarto dos cães eram desparasitados seguindo o esquema recomendado (pelo menos 4 vezes por ano). A maioria dos proprietários tem contato físico com os seus cães, aumentando o risco de transmissão de zoonoses. A sensibilização do público sobre os riscos potenciais e os procedimentos de prevenção é, portanto, aconselhável.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/9088
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Gastrointestinal parasite risk in dog parks in the Lisbon area.pdf2,54 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.