Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/6883
Título: Prevalência e controlo dos parasitas gastrointestinais em explorações bovinas leiteiras em Portugal continental
Autor: Malcata, Francisco Cândido Boavida
Orientador: Lima, José Pedro do Rosário Ribeiro
Stilwell, George Thomas
Palavras-chave: Parasitas gastrointestinais
bovinos leiteiros
prevalência
controlo
maneio
Portugal Continental
Gastrointestinal parasites
dairy cows
prevalence
control
animal husbandry
continental Portugal
Data de Defesa: 4-Jun-2014
Editora: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: MALCATA, F. C. B. (2014). Prevalência e controlo dos parasitas gastrointestinais em explorações bovinas leiteiras em Portugal continental. Dissertação de Mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa.
Resumo: Nos tempos que correm é cada vez mais imprescindível a obtenção de produtos de origem animal utilizando os recursos de forma eficiente e evitando o desperdício. Os parasitas geralmente são vistos como tendo um efeito subtractor na produção de leite e em todo o ciclo de produção desde o nascimento do vitelo, recria e futura produção leiteira. Este estudo pretende fazer uma análise da forma como estes parasitas estão presentes nas vacarias de leite na região centro e sul de Portugal e qual a melhor forma para os controlar. Foram colhidas amostras fecais de animais em diferentes fases produtivas (n=380) em várias explorações com maneio intensivo (n=7) ou semi-intensivo (n=3), que foram submetidas a diferentes análises coprológicas para a detecção de formas parasitárias. Foram efectuados também esfregaços fecais para a pesquisa de Cryptosporidium sp. em vitelos (n=82). Nos métodos quantitativos, 94% e 92% dos animais apresentaram menos de 50 ovos (OPG) ou oocistos (oPG) por grama de fezes para Estrongilídeos Gastrointestinais (EGI) e Eimeria spp., respectivamente. Nas técnicas qualitativas foram identificadas 15,3% de infecções por EGI, 13,4% por Eimeria spp., 1% por céstodes e 1,6% foi mista (EGI e Eimeria spp.). Os EGI foram identificados predominantemente em explorações semi-intensivas e Eimeria spp. em explorações intensivas. Após coprocultura os géneros parasitários mais comuns foram Ostertagia (56.1%), Cooperia (28.3%) e Trichostrongylus (11.8%). A sedimentação simples efectuada em alguns animais em semi-intensivo (n=60) foi negativa para a pesquisa de tremátodes, no entanto através do método de McMaster modificado realizado em pools de 10 amostras (n=6) foi possível detectar o parasita Paramphistomum sp. em 2 desses testes. O protozoário Cryptosporidium sp. foi detectado em 9 explorações e em 42,7% das amostras. Estes resultados não nos dão uma resposta definitiva em relação à necessidade de optar por determinado controlo antiparasitário. No entanto, o médico veterinário com a informação obtida através de inquéritos aos produtores juntamente com os conhecimentos de epidemiologia, biologia, clínica e economia tem a capacidade de ajuizar, para cada situação, a estratégia de controlo antiparasitário mais adequada. Assim, a abordagem ao parasitismo actualmente não envolve somente a relação entre hospedeiro e parasita, mas também toda a análise que lhe está associada. O médico veterinário é uma peça chave nessa avaliação global.
ABSTRACT - Prevalence and control of gastrointestinal parasites in dairy farms in continental Portugal - Today it is increasingly necessary to produce food using resources efficiently and avoiding waste. Parasites in dairy cows generally have a negative effect on milk production throughout the whole cycle: birth, calf rearing and future milk production. This study aimed to examine which parasites are present in dairy farms in central and southern region of Portugal and to identify the best way to control parasites in these farms. Fecal samples from animals on different production stages (n=380) were collected in intensive (n=7) and semi-intensive (n=3) farms. These samples were analysed by distinct coprological techniques so as to identify different parasitic forms. Faecal smears were performed for the detection of Cryptosporidium sp. in calves (n = 82). In quantitative techniques, 94% and 92% of the animals showed less than 50 eggs (EPG) or oocysts (oPG) per gram of faeces for gastrointestinal stongyles (EGI) and Eimeria spp., respectively. In qualitative techniques were identified 15,3% of infections by EGI, 13,4% by Eimeria spp., 1% by cestodes and 1,6% by mixed infection (EGI and Eimeria spp.). The EGI was mainly identified in semi-intensive farms and Eimeria spp. in intensive farms. The main genuses detected in coproculture were Ostertagia (56.1%), Cooperia (28.3%) and Trichostrongylus (11.8%). The simple sedimentation technique performed in few semi-intensive animals (n=60) did not show any trematodes, however using the modified McMaster method performed in pools of 10 samples (n=6) the Paramphistomum sp. was detected in 2 of this tests. The protozoan Cryptosporidium sp. appeared in 9 farms in 42,7% of the samples. These results did not give a precise answer regarding the best antiparasitic control measure to be used. Veterinarian expertise on epidemiology, biology, clinical and economy associated with the information gathered from farmers is crucial to adopt the best strategy to control such parasites. The current definition of parasitism involves not only the relationship between host and parasite but also the financial impact associated. The veterinarian is a key element in this complex evaluation.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/6883
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.