Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/6530
Título: Imobilização química em ungulados selvagens
Autor: Gonçalves, Elisabete Belo Chambel
Orientador: Almeida, João Simões de
Carreira, Luís Miguel Alves
Palavras-chave: Imobilização
Ungulados
Protocolos
Anestesia
Selvagens
Immobilization
Ungulates
Protocols
Anesthesia
Wild
Data de Defesa: 7-Fev-2014
Editora: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: GONÇALVES, E. B. C. (2014). Imobilização química em ungulados selvagens. Dissertação de Mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa.
Resumo: Na medicina da vida animal selvagem, a contenção (física e/ou química) do animal é a base de qualquer intervenção clínica. A imobilização química, que pode ser considerada uma anestesia praticada em condições extremas, tem vindo a tornar-se numa área cada vez mais especializada, com a utilização de fármacos mais potentes, permitindo o alcance de bons planos anestésicos, utilizando apenas o volume contido num dardo. A imobilização química de mamíferos ungulados era, até ao aparecimento de fármacos opióides potentes, uma área com grandes níveis de insucesso apresentando elevadas taxas de mortalidade. No entanto, tais opióides não se encontram facilmente disponíveis na Euro-pa e é necessário procurar protocolos anestésicos alternativos mais acessíveis e que apre-sentem, igualmente, bons resultados. O protocolo anestésico em estudo (“MBKeta”) foi desenvolvido pelo veterinário Dr. João Si-mões de Almeida e é formulado a partir de 1,5 mg de Quetamina, 0,05 mg de Medetomidina e 0,05 mg de Butorfanol por kg de peso vivo. Os resultados mostram bons tempos médios de indução com dosagem adequada ao peso do animal (cinco minutos e meio) e bons tem-pos médios de recuperação após a administração do antídoto (três minutos e meio). Tam-bém o estabelecimento de planos anestésicos estáveis sugerem este protocolo como uma boa aposta na imobilização de ungulados de pequeno e médio porte.
ABSTRACT - CHEMICAL IMMOBILIZATION OF WILD UNGULATES - In wildlife medicine, physical and/or chemical restraint of the animal is the basis of any clini-cal intervention. Chemical immobilization, which can be considered an anesthesia practiced in extreme conditions (hardcore anesthesia), has become an increasingly specialized area, with the use of more powerful drugs, enabling the achievement of better stages of anesthe-sia, by using only the dart’s volume. The chemical immobilization of mammal ungulates was an unsuccessful area with high mor-tality rates until the onset of potent opioid drugs. Nevertheless, these drugs are not readily available in Europe and it is necessary to seek for alternate anesthetic protocols, with an easier access and equally showing good results. The current protocol study (MBKeta) was developed by the veterinarian João Simões de Al-meida and is formulated by 1,5 mg Ketamine, 0,05 mg Medetomidine and 0,05 mg Butor-phanol per kg of body weight. It resulted in good average induction time with an adequate dosage (five and a half minutes) and good average recovery time after the antidote admin-istration (three and a half minutes). The stable anesthetic stages also contribute to indicate this protocol as good option for the immobilization of small and medium sized ungulates.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/6530
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
IMOBILIZAÇÃO QUÍMICA EM UNGULADOS SELVAGENS.pdf3,62 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.