Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/653
Título: Econometric analysis of private medicines expenditure in Portugal
Autor: Inês, Mónica Sofia Inácio Duarte
Orientador: Rosati, Nicoletta
Palavras-chave: Portuguese National Health Survey
Medicines
Expenditure
Two-part model
Poisson pseudo maximum likelihood estimator
Inquérito Nacional de Saúde - Portugal
Medicamentos
Despesa
Modelo em duas partes
Poisson pseudo máxima verosimilhança
Data de Defesa: Jun-2007
Editora: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citação: Inês, Mónica Sofia Inácio Duarte. 2007. "Econometric analysis of private medicines expenditure in Portugal". Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.
Resumo: The Portuguese National Health System states that access to health care should depend mainly on need. Conditional on need, access to pharmaceuticals should not depend on socio-economic factors such as income, social class, education or geographical factors such as the access to pharmacies. This study uses data from the last two waves of National Health Survey (1995/1996 and 1998/1999) and focuses on equity issues testing for the existence of insurance inequalities, income-related and pharmacies density related inequalities. A two-part model was adopted. To model the probability of occurrence of medicines private expenditure, a modified LOGIT model was specified accounting for the double nature of the zeros of the dependent variable and asymmetry. In the second part a Poisson pseudo maximum likelihood estimator was adopted. No misspecification was detected in the two-part model. The main results showed inequity in Portuguese private medicines expenditures with respect to supplementary health insurance (private and job related), income and pharmacies density.
O Serviço Nacional de Saúde Português estabelece que o acesso a cuidados de saúde deve depender essencialmente das necessidades clínicas. Condicionado nas necessidades individuais, o acesso e utilização de medicamentos não deveria depender de factores económicos como rendimento, classe social, nível de educação ou o acesso a farmácias ou postos de vendas de medicamentos. Utilizando dados das últimas duas realizações do Inquérito Nacional de Saúde (1995/96 e 1998/1999), este estudo testa a existência de inequidades nas despesas com medicamentos, condicionadas na necessidade, relacionadas com o rendimento, com a densidade de farmácias e com possuir seguro de saúde privado ou relacionado com o local de trabalho. Foi aplicado um modelo em duas partes. Para a probabilidade individual de efectuar despesas com medicamentos, foi adoptado um estimador LOGIT modificado para acomodar a dupla natureza dos zeros da variável dependente e que permitisse assimetria. Para modelar as despesas positivas com medicamentos foram utilizadas as propriedades da pseudo verosimilhança através da utilização de um modelo de Poisson. Não se detectou má especificação do modelo em duas partes e concluiu-se que existem inequidades na despesa privada com medicamentos relacionadas com a existência de seguro de saúde privado ou relacionado com o local de trabalho, o rendimento e a densidade de farmácias.
Descrição: Mestrado em Econometria Aplicada e Previsão
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/653
Aparece nas colecções:BISEG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis
DM - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_MI_MEAP_2007.pdf710,4 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.