Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/6209
Título: Neoplasias de origem melanocítica da úvea do cão e do gato : estudo comparativo das características clínicas e imunohistoquímicas por imunomarcação para Ki-67, Melan-A e CD117
Autor: Silva, João Francisco Xavier da Silva
Orientador: Delgado, Esmeralda Sofia da Costa
Pissarra, Hugo Abel Sampaio Monteiro Martins
Palavras-chave: Neoplasias
imunohistoquímicas
cães
gatos
úvea
tumors
immunohistochemical
dogs
cats
uvea
Data de Defesa: 1-Nov-2013
Editora: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: Silva, J.F.X. (2013). Neoplasias de origem melanocítica da úvea do cão e do gato : estudo comparativo das características clínicas e imunohistoquímicas por imunomarcação para Ki-67, Melan-A e CD117. Dissertação de Mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa.
Resumo: Apresenta-se um estudo sobre as características epidemiológicas, clínicas e imunohistoquímicas de neoplasias de origem melanocítica da úvea do cão e do gato. Este estudo pretendeu contribuir para o conhecimento das características clínicas e imunohistoquímicas dos tumores em questão, auxiliando no seu diagnóstico e terapêutica. Estudaram-se vinte casos de tumores melanocíticos oculares, dez provenientes de cães e dez de gatos, ocorridos no período compreendido entre 2001-2012. Realizaram-se estudos de imunohistoquímica recorrendo aos marcadores Ki-67, Melan-A e CD117. Foram analisados estatisticamente os parâmetros sexo, raça e idade dos animais, sinais clínicos, técnica cirúrgica, diagnóstico histológico e resultados imunohistoquímicos. O estudo estatístico foi efetuado com o programa Excel 2007 (Microsoft Office®). Nos gatos, 80% (n=8) da amostra era constituída por fêmeas e 20% por machos. O melanoma difuso da íris do gato foi o único tipo de tumor uveal diagnosticado histologicamente na totalidade da amostra de gatos (n=10). Sete dos dez melanomas difusos da íris do gato (70%) tiveram marcação imunohistoquímica positiva para o Melan-A. Apenas dois casos apresentaram um valor do índice de proliferação superior a 19,5, na marcação do Ki-67. Cinco dos dez casos de melanoma difuso da íris do gato (50%) tiveram marcação imunohistoquímica positiva para o CD117. Nos cães, 60% (n=6) dos cães afetados eram fêmeas e 40% (n=4) eram machos. Verificou-se que 60% dos casos (n=6) apresentaram diagnóstico de melanoma da úvea, 10% (n=1) de melanocitoma da coróide, 10% (n=1) de melanoma do limbo esclero-corneano e 20% (n=2) de melanocitoma da úvea anterior. Dos dez casos de tumores melanocíticos caninos submetidos a imunomarcação, todos (100%) apresentaram marcação positiva para o Melan-A, Ki-67 e CD117. Em conclusão, os resultados obtidos com a técnica de imunohistoquímica com marcação para o Melan-A, Ki-67 e CD117 foram diferentes nos dois grupos em estudo. O uso destas técnicas apresentou resultados promissores na confirmação do diagnóstico histopatológico e caracterização dos tumores uveais melanocíticos do cão e do gato.
ABSTRACT - Uveal Melanocytic Neoplasms of Dogs and Cats: A Comparative Study of Clinical and Immunohistochemical Features by Immunostaining for Ki-67, Melan-A and CD117 - The present dissertation is a study of the epidemiological, clinical and immunohistochemical features of uveal melanocytic tumors of the dog and cat. This study aims to contribute to the knowledge of clinical and immunohistochemical features of these tumors, in order to help establishing a diagnosis and therapy. Twenty clinical cases of ocular melanocytic tumors were studied (ten dogs and ten cats), which occurred between 2001 and 2012. Immunohistochemical studies were performed using the immunohistochemical markers Ki-67, Melan-A and CD117. Parameters like sex, age, breed, clinical signs, surgical techniques, histological diagnosis and immunohistochemical results were statistically analyzed. Statistical analysis was performed using Excel 2007 (Microsoft®Office). Regarding feline patients, 80 % (n=8) of the sample were females and 20% were males. Diffuse iris melanoma was the only type of tumor histologically diagnosed in the whole sample (n=10). Seven of the ten diffuse iris melanomas (70%) had positive immunohistochemical staining for Melan-A. Only two cases had a proliferation index greater than 19.5 when staining for Ki-67. Five of the ten cases of feline diffuse iris melanoma (50%) had positive immunohistochemical staining for CD117. On what concerns dogs, 60% (n=6) of the sample were females and 40% (n=4) were males. Uveal melanoma was diagnosed in 60% of the cases (n=6), 10% (n=1) of the cases were diagnosed as a melanocytoma of the choroid, 10% (n=1) as a corneal-scleral limbal melanoma and 20% (n =2) as anterior uvea melanocytoma. All the cases of canine melanocytic tumors submitted to immunostaining for Melan-A, Ki-67 and CD117 showed positive staining. In conclusion, immunohistochemical labeling for Melan-A, Ki-67 and CD117 yielded different immunostaining results for the two groups. These results seem to be promising for the confirmation of the histopathologic diagnosis and further characterization of uveal melanocytic tumors in dogs and cats.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/6209
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.