Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/5703
Título: Estudo de fatores de risco individuais e organizacionais em contexto de sala de aula: relação com queixas músculo-esqueléticas em alunos de primeiro ciclo
Autor: Raposo, Andreia Beatriz Gouveia Fialho
Orientador: Carnide, Maria Filomena Araújo da Costa Cruz
Palavras-chave: Coluna vertebral
Crianças
Ergonomia
Mochila
Mobiliário escolar
Organização espacial
Organização temporal
PEO
Sintomas músculo-esqueléticos
Data: 2013
Citação: Raposo, Andreia Beatriz G. F. (2013) - Estudo de fatores de risco individuais e organizacionais em contexto de sala de aula: relação com queixas músculo-esqueléticas em alunos de primeiro ciclo. Relatório de Estágio. Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana.
Resumo: As lesões e sintomas de dor músculo-esqueléticas em crianças em idade escolar são cada vez mais frequentes. O facto de as crianças passarem cada vez mais tempo sentadas durante as atividades escolares e os constrangimentos inerentes às mesmas – mobiliário escolar desadequado, mochilas com peso excessivo e adoção de posturas penosas, e os hábitos e estilos de vida adotados – ver televisão e jogar no computador ou outras consolas, têm demonstrado associações significativas com os sintomas músculo-esqueléticos. O objetivo deste estudo é analisar a atividade de crianças do primeiro ciclo em contexto de sala de aula e os constrangimentos inerentes à mesma, e a sua associação com sintomas músculo-esqueléticos. A amostra foi constituída por 118 alunos do 1º ciclo, na 1ª e 4ª classes. Os alunos foram analisados durante a atividade escolar através do método PEO, de uma lista de verificação e de questionários com questões relacionadas com a mochila, sintomatologia músculo-esquelética e outras atividades. Foram também recolhidas as medidas do mobiliário e as medidas antropométricas das crianças. Dos resultados encontrados salientam-se, entre outros, os níveis de iluminância fora dos intervalos recomendados, a adoção de posturas penosas e a inadequação do mobiliário escolar em relação às características individuais das crianças. Os resultados obtidos realçam a importância de uma intervenção ergonómica a nível ambiental, da organização temporal e espacial das salas de aula e da sensibilização dos professores, crianças e encarregados de educação sobre o peso das mochilas e adoção de posturas penosas. É também importante incutir desde uma idade precoce noções de Ergonomia.
Descrição: Mestrado em Ergonomia
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/5703
Aparece nas colecções:BFMH - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatório definitivo Andreia Raposo.pdf2,28 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.