Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/5217
Título: Flexibilidade e composição corporal : relações entre o perfil de flexibilidade qualitativo e as variáveis de composição corporal
Autor: Neto, Tiago Gonçalves
Orientador: Santos, Pedro Victor Mil-Homens Ferreira
Palavras-chave: Antropometria
Composição corporal
Flexibilidade
Stiffness passivo
Data de Defesa: 2012
Citação: Neto, Tiago Gonçalves (2012) - Flexibilidade e composição corporal : relações entre o perfil de flexibilidade qualitativo e as variáveis de composição corporal. Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana.
Resumo: PROBLEMA: A flexibilidade é uma característica que difere entre pessoas, no que respeita à amplitude de movimento (ROM), resistência ao alongamento, e adaptações mecânicas agudas provenientes desse alongamento. Alguns investigadores apontam a composição corporal (CC) como uma das razões para essas diferenças. No entanto não é bem conhecida essa relação entre CC e flexibilidade. O objectivo deste estudo é perceber como a CC e a antropometria dos membros inferiores estão relacionadas com a flexibilidade passiva durante o movimento de extensão do joelho. MÉTODOS: Vinte e cinco sujeitos, masculinos (21.8±2.9 anos, 73.9±8.9 kg, 1.75±0.1m) e com défice de flexibilidade foram sujeitos a uma avaliação antropométrica, e de CC (Dual-Energy X-ray Absorptiometer). Realizaram um protocolo de 5 repetições de extensão passiva máxima do joelho (2º/s, 90s na fase estática, e 15s de intervalo entre repetições), sem sentir dor ou desconforto. A curva tensão passiva (TP)-ROM foi registada, bem como a actividade eléctrica muscular. O relaxamento do stress visco-elástico (RSV, em Nm), e o stiffness passivo dos flexores do joelho (Nm/º) foram determinados. Usaram-se rotinas do MatLab® para o processamento dos dados, e um nível de confiança de 95% para a análise estatística. RESULTADOS: As massas muscular, e óssea, da coxa, juntamente com o perímetro da coxa, apresentaram correlações moderadas com a TP (r=0,45; r=0,6; r=0,59, respectivamente), com a ROM (r=0,46; r=0,45; r=0,5), e com o RSV (r=0,46; r=0,49; r=0,5). A massa muscular da coxa também se demonstrou correlacionada com o stiffness (r=0,42). Os sujeitos com maior perímetro e mais massa muscular, e óssea, da coxa, apresentaram, respectivamente, mais 41% de TP, 39% de RSV, e 11% de ROM, quando comparados com os sujeitos mais magros. As correlações e diferenças apresentadas foram significativas (p<0,05). CONCLUSÕES: A flexibilidade dos sujeitos apresenta uma correlação moderada com diversos parâmetros da CC dos membros inferiores. Especificamente, o perímetro da coxa e a massa muscular estão associados com o stiffness passivo e o RSV. É necessário mais investigação no sentido de perceber, em concreto, o que influencia a ROM, o stiffness, e as adaptações agudas ao alongamento.
Descrição: Mestrado em Ciências da Fisioterapia
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/5217
Aparece nas colecções:BFMH - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Mestrado_TN.pdf1,17 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.