Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/4818
Título: Os contornos do emprego e do trabalho na economia social : estudos de caso nos distritos de Viseu e da Guarda
Autor: Sousa, Maria Teresa de
Orientador: Kovács, Ilona
Palavras-chave: economia social
trabalho e emprego
grupos vulneráveis/em desvantagem
percurso pessoal e profissional/laboral
criação de emprego
inserção e integração
feminização do emprego
instituições particulares de solidariedade social
cooperativas
crise do Estado-Providência
social economy
work and employment
vulnerable/disadvantaged groups
personal and professional/work path
creation of employment
insertion and integration
feminization of employment
private social solidarity institutions
cooperatives
crisis of the Welfare-State
Data de Defesa: Jul-2012
Editora: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citação: Sousa, Maria Teresa de. 2012. "Os contornos do emprego e do trabalho na economia social : estudos de caso nos distritos de Viseu e da Guarda". Tese de Doutoramento. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.
Resumo: A globalização da economia, a crise do Estado-providência, a precarização do trabalho e do emprego, as desigualdades sociais, o aumento do desemprego, a nova pobreza, a exclusão social e laboral, entre outros aspectos, suscitaram/suscitam a emergência de novos problemas sociais para os quais é importante encontrar respostas. Neste contexto, a economia social é chamada a participar e a sua evolução mais recente não só confirma a sua capacidade na resolução destes novos problemas, como reforça a sua posição nas áreas mais tradicionais da sua intervenção. Consequentemente, a economia social parece abrir caminho à possibilidade de dinamizar um modelo diferente de desenvolvimento. Um modelo que se deseja mais humanizado e sustentável. Um dos objectivos centrais deste estudo é o de problematizar a economia social, valorizando uma das suas “atractividades” mais recentes: a capacidade de criar e promover o emprego e a sua importância enquanto vector de inserção e integração no mercado de trabalho e de emprego de certos grupos de trabalhadores (grupos vulneráveis/em desvantagem). No entanto, estas “atractividades” não nos impedem de argumentar que qualquer uma delas comporta vantagens e “riscos/armadilhas”. A presente dissertação está organizada em duas partes. A Parte I é dedicada à contextualização da problemática e ao enquadramento teórico. Partindo de um quadro teóricoconceptual alicerçado nas transformações socioeconómicas, analisámos o debate e a contribuição plural da economia social, não esquecendo a sua diversidade europeia e nacional (que os dados estatísticos também ajudam a comprovar) e o seu potencial empregador. O estudo empírico (Parte II) incide sobre as organizações da economia social, numa dupla componente: componente social (instituições particulares de solidariedade social) e componente cooperativa (cooperativas) e articula dois níveis de análise: análise quantitativa (dados estatísticos e informação recolhida através do inquérito por questionário) e a análise qualitativa (resultante da realização de diferentes guiões de entrevista). O âmbito geográfico do estudo abrange concelhos de dois distritos: Viseu e Guarda. Em relação à economia social, a articulação entre os dois níveis de análise referidos anteriormente permitiu, entre outros aspectos, constatar: a diversidade (natureza jurídica; número de trabalhadores; ramos cooperativos; actividades desenvolvidas; etc.); o potencial empregador, particularmente dos grupos vulneráveis/em desvantagem; a feminização do emprego; a diversidade dos recursos humanos (trabalhadores remunerados e trabalhadores voluntários); a estabilidade do vínculo contratual; a proximidade da intervenção; os contributos (entre eles: a criação de emprego; a satisfação das necessidades locais; a dinamização da economia local; a fixação das pessoas no meio e a promoção do desenvolvimento local) e os problemas específicos (por exemplo: as dificuldades de gestão; a burocracia; a qualificação e a formação dos recursos humanos; a falta de reconhecimento da economia social e a sua “invisibilidade”; etc.); os baixos salários; os pontos fortes, os pontos fracos, as oportunidades e as ameaças. A economia social para além de ser uma relevante empregadora de mão-de-obra local tem também um significado importante enquanto primeiro emprego. Registe-se que, na grande maioria dos casos, a economia social não fez parte do percurso laboral/profissional daqueles trabalhadores para quem o emprego actual não foi o primeiro emprego.
Descrição: Doutoramento em Sociologia Económica e das Organizações
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/4818
Aparece nas colecções:BISEG - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis
DCS - Teses de Doutoramento / Ph.D. Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TD-MTS-2012-Dissertação Partes I e II.pdf4,77 MBAdobe PDFVer/Abrir
TD-MTS-2012-Anexos Parte I e Parte II e Indices.pdf5,99 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.