Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/3844
Título: Perspectivas Teóricas sobre a Relação das Organizações com o Meio Ambiente
Autor: Serrano, Maria Manuel
Palavras-chave: Organizações
Meio Ambiente
Estrutura Organizacional
Sistema
Organizations
Environment
Organizational Structure
System
Data: 2012
Editora: ISEG - SOCIUS
Citação: Serrano, Maria Manuel. 2012. "Perspectivas Teóricas sobre a Relação das Organizações com o Meio Ambiente". Instituto Superior de Economia e Gestão – SOCIUS Working papers nº 2/2012
Relatório da Série N.º: SOCIUS Working papers;nº 2/2012
Resumo: Este trabalho aborda, ainda que de modo sintético, algumas das perspectivas teóricas que se interessaram pelo estudo da relação entre as organizações e o seu meio ambiente. Num primeiro momento, dominado por uma perspectiva racional, mecanicista e de sistema fechado, ignora-se a existência de relacionamento entre organizações e ambiente e de qualquer tipo de influência externa no funcionamento das organizações. Posteriormente, a aplicação da teoria sistémica ao estudo das organizações divulga a noção de sistema aberto e a variável meio ambiente é introduzida na análise organizacional. Os trabalhos filiados na teoria da contingência viriam a reconhecer a dependência das organizações relativamente ao meio ambiente, a influência que os constrangimentos ambientais têm nas estruturas organizacionais e defendem que a performance das organizações depende da sua capacidade de adaptação ao ambiente. A dinâmica relacional entre organização e ambiente é explorada de forma mais “especializada”, embora complementar, no âmbito das abordagens de cariz sociológico e de cariz político e económico. Neste caso, as teorias partem da ideia comum de que o ambiente externo da organização pode representar uma fonte critica de ideias, regras, oportunidades, recursos e constrangimentos.
This work aims to discuss the theoretical perspectives interested in studying the relationship between organizations and their environment. First, the rational, mechanistic and closed system approach, ignores the existence of the relationship between organizations and environment and any kind of external influence on thefunctioning of organizations. Subsequently, the application of systemic theory to the study of organizations promotes the notion of open system and the environment variable is introduced in organizational analysis. The works supported by contingency theory recognized the dependence of organizations to the environment, the influence that environmental constraints have in organizational structures and argue that firms performance depends on its ability to adapt to the environment. The relational dynamics between organization and environment is explored in a more "specialized" way, but complementary, in sociological and political and economic approaches. In this case, the theories start from the common idea that the organization's external environment may represent a critical source of ideas, rules, opportunities, resources and constraints.
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/3844
Aparece nas colecções:SOCIUS - Documentos de Trabalho / SOCIUS - Working Papers

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
WP_2_2012.pdf346,17 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.