Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/3143
Título: Does positional consumption generate technological innovation?
Autor: Bernardino, Joao Pedro Ramalho
Orientador: Araújo, Tanya
Gonçalves, Fernando Miranda Borges
Palavras-chave: positional consumption
relative preferences
innovation
agent-based modelling
consumo posicional
preferencias relativas
inovacão
modelacao de agentes
Data de Defesa: Nov-2010
Editora: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citação: Bernardino, Joao Pedro Ramalho. 2010. "Does positional consumption generate technological innovation?". Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão
Resumo: Positional consumption led by wants linked to status concerns arguably does not produce welfare gains to society and is a source of economic inefficiency. While some authors propose policy remedies to bring a better collective outcome, others argue that they would cause more damage than benefits. One of the most important arguments against intervention is that positional consumption generates innovation, thereby producing wider economic benefits. This work aims to contribute to the discussion by studying the relation between positional consumption and technological innovation. It departs from commonly accepted theoretical assumptions on elements structuring the relation, and infers on its causes and possible outcomes. Besides achieving a better comprehension of the process, results indicate that positional consumption is likely to generate lower benefits from technological innovation than alternative resource allocations of material nature. This conclusion is founded on three arguments, related to the relative role of technological innovation as a marketing strategy in positional markets, the exigency of positional consumers towards the material achievements of innovations, and the ability of those innovations to deliver welfare gains.
O consumo positional orientado por anseios de estatuto nao produz, de forma plausível, ganhos de bem-estar para a sociedade, e e nesse caso uma fonte de ineficiencia económica. Enquanto que alguns autores propõem políticas para corresponder a este problema, outros argumentam que estas causariam mais danos do que benefícios. Um dos argumentos mais relevantes contra a intervencao política e o de que o consumo posicional gera inovacao, dessa forma produzindo benefícios economicos mais vastos. O presente trabalho pretende contribuir para esta discussão atraves do estudo da relacao entre o consumo posicional e a inovação tecnologica. Para tal, parte-se de pressupostos teoricos comummente aceites sobre elementos que estruturam a relacao em questao, e infere-se sobre as suas causas e consequencias. Para alem de permitir uma melhor compreensãao do processo, os resultados do estudo indicam que o consumo posicional gera, provavelmente, menos benefícios sobre a inovaçcãao tecnoloígica do que alternativas de afectaçcaão de recursos de natureza material. Esta conclusaão funda-se em três argumentos, relacionados com o papel relativo da inovacão tecnolígica como estratégia de marketing em mercados posicionais, com a exigencia dos consumidores posicionais sobre o desempenho material das inovaçcãoes, e com a capacidade das in-ovacçãoes geradas pelo consumo posicional para oferecerem benefícios de bem-estar.
Descrição: Mestrado em Economia
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/3143
Aparece nas colecções:BISEG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis
DE - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
dissertacao_mest_econ_JoaoBernardino.pdf782,61 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.