Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/2524
Título: Percepção de intensidade dos comportamentos políticos no contexto organizacional Português: Análise dos principais factores antecedentes
Autor: Ribeiro, Pedro Miguel Simões Raposo
Orientador: Soares, Maria Eduarda
Palavras-chave: Comportamentos políticos
competências políticas
resistência à mudança
cultura organizacional
Political behaviour
political skills
resistance to change
organizational culture
Data de Defesa: 2010
Editora: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citação: Ribeiro, Pedro Miguel Simões Raposo. 2010. "Percepção de intensidade dos comportamentos políticos no contexto organizacional Português: Análise dos principais factores antecedentes". Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão
Resumo: Os comportamentos políticos são considerados como um fenómeno inevitável da vida organizacional (Chen & Fang, 2007; Ferris et al., 2005; Kacmar & Carlson, 1997), e vários estudos identificaram potenciais consequências negativas da percepção de intensidade de comportamentos políticos para o desempenho e as atitudes dos membros das organizações (Miller, Rutherford, & Kolodinsky, 2008). O presente trabalho pretende investigar factores antecedentes da percepção de intensidade dos comportamentos políticos no contexto organizacional Português. Para a análise desses factores, incluímos várias variáveis anteriormente estudadas. Estas variáveis consideram o nível individual (género, idade, nível de habilitações, nível hierárquico, tempo de experiência profissional, tempo de permanência na organização, e competências políticas), assim como o nível organizacional (dimensão da organização e sector). Acrescentamos duas variáveis que não encontrámos em estudos anteriores: a resistência à mudança, no nível individual, e a cultura organizacional, no nível organizacional. Os resultados indicam que os inquiridos com maior nível de habilitações, de nível hierárquico mais elevado, com maiores competências políticas, e com menor resistência à mudança têm uma percepção menos elevada da intensidade dos comportamentos políticos. Em termos de variáveis organizacionais, os empregados do sector público e de empresas de maior dimensão têm uma percepção mais elevada da intensidade de comportamentos políticos. Para a cultura organizacional, os resultados indicam que a percepção de intensidade de comportamentos políticos é superior em culturas com uma orientação para a tarefa, para os processos, e de identificação paroquial, assim como nas culturas que se caracterizam por serem um sistema fechado. Através da técnica da regressão múltipla procuramos identificar quais as variáveis com maior poder de previsão. Verificámos que as dimensões de cultura organizacional são as que mais contribuem para este fim, em particular a orientação para as pessoas / tarefa, que explica quase 50% da variância das percepções de intensidade de comportamentos políticos.
Political behaviours are considered to be an inevitable phenomenon in organizations (Chen & Fang, 2007; Ferris et al., 2005; Kacmar & Carlson, 1997), and several studies have identified potential negative consequences of perceptions of organizational politicization for the performance and attitudes of employees (Miller, Rutherford, & Kolodinsky, 2008). The present study investigates antecedent variables of perceptions of organizational politicization in Portuguese organizational context. We include several variables that were analysed in previous research, considering both individual level variables (gender, age, education level, hierarchy level, working experience, tenure in the organization, and political skill), and organizational level variables (organizational size and sector). We also include two variables which we were unable to find in previous research: individual resistance to change and organizational culture. Results indicate that respondents with higher education levels, higher positions in the hierarchy, with higher level of political skills, and lower level of resistance to change, have a lower perception of organizational politicization. For organizational variables, respondents from the public sector and from larger-size organizations have a higher perception of organizational politicization. For organizational culture, perceptions of politicization are higher in task-oriented and process-oriented cultures, as well as in cultures with a parochial identification and that are characterized as closed systems. Through multiple regression analysis, we attempted to identify which variables have the highest predictive power of politicization perceptions. Results show that organizational culture are the first variables retained by stepwise models. In particular, task/people orientation explains almost 50% of variance of politicization perceptions.
Descrição: Mestrado em Ciências Empresariais
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/2524
Aparece nas colecções:BISEG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis
DG - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese final.pdf1,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.