Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/2176
Título: Frequência do antigénio eritrocitário DEA 1.1 em canídeos e dos antigénios eritrocitários A, B e AB em felídeos de Lisboa, Portugal
Autor: Marques, Cátia Filipa Saraiva
Orientador: Cruz, Luís Miguel Amaral
Pomba, Maria Constança Matias Ferreira
Palavras-chave: Grupos sanguíneos
Sistema sanguíneo AB felino
Antigénio eritrocitário canino (DEA) 1.1
Reacções transfusionais adversas
Tipificação sanguínea
Blood groups
Feline AB blood group system
Dog erythrocyte antigen (DEA) 1.1
Adverse transfusion reactions
Blood typing
Data de Defesa: 2010
Editora: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: Marques, C.F.S. (2010). Frequência do antigénio eritrocitário DEA 1.1 em canídeos e dos antigénios eritrocitários A, B e AB em felídeos de Lisboa, Portugal. Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa
Resumo: O sistema sanguíneo AB dos felídeos, caracterizado por Auer e Bell, é considerado como o clinicamente mais relevante. O antigénio eritrocitário canino (DEA) 1.1 é o mais antigénico e consequentemente responsável pelas reacções transfusionais adversas mais severas. Este estudo teve como objectivo determinar a frequência dos antigénios eritrocitários do sistema sanguíneo AB e do DEA 1.1 na área da Grande Lisboa, em Portugal. As amostras foram obtidas no Hospital Escolar e no Banco de Sangue Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa e em algumas Clínicas Veterinárias. Foram testados 538 gatos e 54 cães. Os antigénios eritrocitários dos felídeos foram determinados pela prova de aglutinação clássica usando lectina de Triticum vulgaris (Sigma ref. L9640) ou pelo teste rápido DME VET A+B®. A presença/ausência do DEA 1.1 foi determinada pelo teste rápido DME DEA 1.1®. A frequência dos antigénios eritrocitários felinos A, B e AB foi de 97,40% (n=524), 2,23% (n=12) e 0,37% (n=2), respectivamente. Dos canídeos testados, 50,00% (n=27) eram DEA 1.1 positivo. Estes resultados enfatizam a importância da realização da tipificação sanguínea e da prova de compatibilidade eritrocitária para minimizar a ocorrência de reacções transfusionais adversas.
ABSTRACT - FREQUENCY OF THE CANINE ERYTHROCYTE ANTIGEN 1.1 AND OF THE FELINE ERYTHROCYTE ANTIGENS A, B AND AB IN LISBON, PORTUGAL - The feline AB blood group system, characterized by Auer and Bell, is considered the clinically most relevant system. The dog erythrocyte antigen (DEA) 1.1 is the most antigenic and therefore responsible for the severest transfusion adverse reactions. This study was undertaken to determine the frequency of the erythrocyte antigens of the AB blood group system and the DEA 1.1 in the Lisbon area of Portugal. Samples were obtained at the Teaching Hospital and Veterinary Blood Bank of the Veterinary Medicine Faculty of the Technical University of Lisbon, and at several Veterinary Clinics. 538 cats and 54 dogs were tested. The feline erythrocyte antigens were determined by the classical agglutination assay using lectin from Triticum vulgaris (Sigma ref. L9640) or by the DME VET A+B® quick test. The presence/absence of DEA 1.1 was determined by the DME DEA 1.1® quick test. The frequency of feline erythrocyte antigens A, B and AB was 97,40% (n=524), 2,23% (n=12) and 0,37% (n=2), respectively. Of the dogs tested 50,00% (n=27) were DEA 1.1 positive. These results emphasize the importance of blood typing and blood crossmatching to minimize the occurrence of transfusion adverse reactions.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/2176
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.