UTL Repository >
FA - Faculdade de Arquitectura >
DDCV - Departamento de Desenho e Comunicação Visual >
DDCV - Artigos de revistas >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.5/1488

Título: {Cheios inúteis} : a imagem do vazio na cidade
Autor: Janeiro, Pedro António Alexandre
Issue Date: Sep-2009
Editora: CEFA (Editorial da Faculdade de Arquitectura) + CIAUD (Centro de Investigação em Arquitectura, Urbanismo e Design)
Citação: JANEIRO, Pedro António Alexandre - {Cheios inúteis} : a imagem do vazio na cidade. Artitextos. Lisboa : CEFA ; CIAUD. ISBN 978-972-9346-12-5. N.º 8 (2009), p. 181-193
Resumo: São tão fundamentais à cidade os seus vazios como à música os seus silêncios. Uns e outros são intervalos contidos por, aparentemente, nada. Mas, se no nada, por definição, não existe nem o espaço, já os vazios na cidade – como os silêncios na música – existem enquanto esperança, enquanto possibilidades de algo ou de alguma coisa. O nada, portanto, não é um lugar; é algo que não é lugar, é algo que não é sítio, ou parte alguma. Mas, bem sabemos, o vazio não é o nada; é, isso sim, uma aparente, uma só aparente ausência. Mas uma ausência de quê? Eventualmente, uma ausência de sentido. Essa ausência, quando falamos em vazios urbanos, pode ter várias origens, é certo; porém, todos estes vazios têm uma característica em comum: todos eles são uma espécie de negação de cidade. Uma análise aos vazios, em Arquitectura, implica uma reflexão prévia acerca do como “o vazio”, lato senso, pode ser (ou vir a ser) um lugar – um lugar cheio ou um lugar potencial a partir do qual se possa pensar e fazer Arquitectura e Cidade; a partir do qual se possa requalificar a paisagem e o ambiente urbanos. Portanto, uma análise que se dirija à Arquitectura não só enquanto a arte de edificar ou a arte de traçar planos para a construção de edifícios e de espaços entre eles (caindo na incompletude do discurso do esteta), mas uma análise à Arquitectura entendendo-a como uma espécie de moldura da vida do homem em sociedade. É neste sentido, no sentido em que se admite que a Arquitectura funciona como o que está entre o homem e os cenários onde o homem pode ou não-pode interpretar os seus gestos, que podemos olhá-la, por exemplo, como representação. O artigo que apresentamos surge destas convicções e desse olhar. Falar de Arquitectura, portanto, não é (só), desde o ponto donde a olhamos, falar de um programa de necessidades humanas posto-em-forma-visível e/ou tangível. É, sobretudo, falar de habitar e da sua, por vezes, intangibilidade. É, sobretudo, admitir que a Arquitectura, mais do que o pensar e o fazer o objecto arquitectónico, é a relação entre o homem e esse objecto, é a possibilidade desse homem ser-nele: humanizando-o humanizando-se. É que: o objecto arquitectónico, como nenhum outro objecto, envolve o corpo daquele que o usa. E é ao ser usado que ele, naquilo que oferece ao seu usuário, se cumpre – provavelmente já não enquanto objecto mas como um outro corpo que envolve o meu. Digamos, por hipótese: o objecto arquitectónico só é objecto até ao instante em que somos envolvidos por ele; a partir desse momento, a partir do momento em que alguém se sinta envolvido por ele, ele passa a existir enquanto um outro corpo para além dos limites do corpo desse alguém-envolvido e, por mais paradoxal que isto nos possa parecer, esse outro corpo é uma espécie de dilatação do corpo-daquele-que-(a partir desse momento)-o-habita. Digamos, talvez abusivamente e partindo desta hipótese: no momento em que alguém se sente envolvido pelo objecto arquitectónico, há uma conversão do objecto em lugar, quer dizer, há uma conversão do objecto em intervalo corporal. Há, portanto – a partir desse instante –, Arquitectura. Posto isto, resta apurar como é que nos vazios urbanos pode haver esse envolvimento e essa conversão em lugares; não resvalando, com o intuito de definir vazios úteis, para a conceptualização e a construção de cheios inúteis.
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/1488
ISBN: 978-972-9346-12-5
Appears in Collections:DDCV - Artigos de revistas
BFA - Artigos de revistas

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Pedro Janeiro.pdf2,67 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

 
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE