Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.5/14065
Título: Caracterização da artéria angularis oris e a sua aplicação no retalho de modelo axial para a reconstrução plástica de defeitos faciais craniais em Canis familiaris : vantagens comparativas do seu uso relativamente ao retalho de modelo axial da artéria temporalis superficialis
Autor: Vieira, Raquel Roque Boieiro Formosinho
Orientador: Carreira, Luis Miguel Alves
Mestrinho, Lisa Alexandra Pereira
Palavras-chave: cão
artéria angular da boca
artéria temporal superficial
retalho de modelo axial
cirurgia plástica
face
dog
angularis oris artery
temporalis superficialis artery
axial pattern flap
plastic surgery
Data de Defesa: 31-Jul-2017
Editora: Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária
Citação: Vieira, R.R.B.F. (2017). Caracterização da artéria angularis oris e a sua aplicação no retalho de modelo axial para a reconstrução plástica de defeitos faciais craniais em Canis familiaris : vantagens comparativas do seu uso relativamente ao retalho de modelo axial da artéria temporalis superficialis. Dissertação de mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa.
Resumo: A reconstrução de defeitos faciais craniais apresenta-se como um desafio ao cirurgião, uma vez que a face é uma região com uma baixa disponibilidade de pele, exigindo por isso o recurso a técnicas de retalhos de modelo axial (RMA) cutâneos e/ou mio-cutâneos para a sua realização. Os RMA mais utilizados em cirurgia plástica facial no cão têm por base as artérias auricular caudal, cervical superficial e temporal superficial (temporalis superficialis - TS). Recentemente, o RMA utilizando a artéria angular da boca (angularis oris - AO) tem sido alvo de interesse de estudo. Os objetivos do presente estudo foram: 1) caracterizar anatomicamente a artéria AO quanto ao seu diâmetro e ramos colaterais emitidos; e 2) avaliar angiograficamente a área vascular por ela assegurada num RMA; comparando estes resultados com os obtidos para a artéria TS, no contexto da reconstrução plástica de defeitos faciais craniais. Para tal, foi utilizada uma amostra de 18 cadáveres de canídeos mesocefálicos (N=18), correspondentes a 24 unidades de estudo representadas pelas respetivas hemifaces, dividida em 2 grupos: grupo de estudo anatómico vascular (GAV) e grupo de estudo angiográfico (GAN), cada um dos quais composto por 12 unidades de estudo (n=12). A média do diâmetro da artéria AO foi de 0.65 ± 0.3 mm e de 1.55 ± 0.6 mm para a artéria TS. Quanto à média da área mínima vascularizada, esta foi de 200.9 mm2 para o RMA da AO e de 57.65 mm2 para o RMA da artéria TS. Foi possível concluir que, embora o RMA da TS apresente vasos de maior diâmetro e uma área de vascularização média maior do que o RMA da AO, este último apresenta as vantagens de se encontrar mais próximo das estruturas faciais, implicando uma menor rotação no ponto pivot e uma menor tensão na reconstrução de defeitos. Além disso, o RMA da AO vê a sua rede vascular potenciada pela presença das artérias labiais superior e inferior. Sendo assim, o RMA da AO apresenta-se como uma boa alternativa ao RMA da TS na reconstrução plástica de defeitos faciais craniais no cão.
ABSTRACT - CHARACTERIZATION OF THE ANGULARIS ORIS ARTERY AND ITS APPLICATION IN AN AXIAL PATTERN FLAP FOR THE RECONSTRUCTION OF CRANIAL FACIAL DEFECTS IN CANIS FAMILIARIS. COMPARATIVE ADVANTAGES OF ITS USE IN RELATION TO THE TEMPORALIS SUPERFICIALIS AXIAL PATTERN FLAP - Reconstructions of cranial facial defects presents as a challenge to the surgeon, due to the lack of availability that the skin dispose, requiring to resort to cutaneous and/or miocutaneous axial patterns flaps (APF) techniques to perform this kind of procedures. The more commonly used APF for facial reconstruction are the ones based on the caudal auricular, the superficial temporal (temporalis superficialis – TS) and the superficial cervical arteries. Recently, the angularis oris (AO) APF has been scope of research. The present study sought to: 1) anatomically characterize the AO artery’s diameters and collateral branches; and 2) evaluate, by means of angiograms, the AOAPF’s vascularized area; to compare this results to the ones for the TS artery, in the context of plastic reconstruction of facial defects. Therefore, a sample of 18 cadavers of mesocephalic canids (N=18), corresponding to 24 units of study represented by each hemiface, was divided in two groups: one to perform a vascular anatomic study (GAV) and another to execute an angiographic study (GAN), each of them composed by 12 units of study (n=12). The average diameter for AO artery was 0.65 ± 0.3 mm and 1.55 ± 0.6 mm for the TS artery. Regarding to the minimum average vascularized area, it was 200.9 mm2 for the AOAPF, and 57.65 mm2 for the TSAPF. It was possible to conclude that, although the TSAPF has larger diameter vessels and a more extensive average vascularized area than the AOAPF, the last one presents the advantages of being closer to facial structures, implying a reduction in the rotation at the pivot point and a decrease in the tension exerted while reconstructing the defect. Besides that, the AOAPF has its vascular network potentiated by the superior and inferior labial arteries. For that reasons, the AOAPF appears as a suitable alternative to the TSAPF, for the reconstruction of cranial facial defects.
Descrição: Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/14065
Aparece nas colecções:BFMV - Teses de Mestrado 2º. Ciclo



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.